sábado, 27 de fevereiro de 2010

Açaí...

Em meus atendimentos, costumo perguntar se meus pacientes gostam de açaí e, normalmente a resposta, ainda que tímida, é "sim". Mas logo em seguida vem a pergunta: "Dr... pode comer açaí? Mas não engorda? Eu amo!"
Mas o açaí é um fruto riquíssimo e que acredito ser valioso numa reeducação alimentar.
Por esta razão, estou postando este artigo e, lembrar, um consumo regular, em quantidades adequadas, pode trazer benefícios ímpares para sua saúde. Então, antes de sair por aí e comer todo o açaí que encontrar, lembre-se, busque uma orientação nutricional para saber qual a melhor forma de preparar e a quantidade ideal para você.


Talvez não exista fruta mais brasileira do que essa. Nativo da Amazônia, o açaí carrega em seu nome lendas indígenas e, em sua polpa, diversas propriedades. Rico em fibra e proteína, já foi tema de teses e estudos estrangeiros. Popularizado no país e no mundo, o açaí está para os caboclos assim como o chimarrão está para os gaúchos, o pão de queijo para os mineiros...

Origem - Parecido com uma jabuticaba, o açaí é o fruto de uma palmeira típica da Amazônia e que chega a quase 30 metros de altura. Ela cresce nas margens de rios e pode ser encontrada também na Guiana e na Venezuela pela proximidade geográfica desses países. A dispersão das sementes é feita principalmente por pássaros, como o tucano e o papagaio, que comem a fruta e dispensam os caroços, que correspondem a 87% de todo açaí. Uma única palmácea produz de 10 a 15 kg de frutos durante um ano e 90% de toda a produção nacional vem de Belém do Pará, onde são consumidos cerca de 250 mil quilos da polpa de açaí por dia.

Propriedades nutricionais - Quando associado com a vitamina C, o açaí fornece quantidades suficientes de fósforo para ativar as funções cerebrais, além de ser excelente fonte de proteínas e fibras. Segundo o químico belga e professor da Universidade Federal do Pará, Herve Rogez, a composição química da polpa da fruta pode ser comparada com o leite de vaca, porém, com propriedades nutricionais superiores.

Por ser rico em vitamina E e polifenóis, age como um antioxidante natural e combate os radicais livres. Já os 3 gramas de fibra encontrados em 100 ml ajudam a melhorar as funções intestinais. E as 58 Kcal a cada 100 ml dão ao açaí uma de suas qualidades mais conhecidas - seu poder energético. Rogez acredita que mesmo as pessoas que estão fazendo dieta não deveriam eliminar a fruta de seu cardápio, pois ela ajuda no transporte de oxigênio para as células. E toda essa energia contribui para diminuir o estresse físico e mental.

Propriedades medicinais - As raízes combatem hemorragia e verminoses. Os pigmentos naturais da fruta, conhecidos como antocioninas, agem como antioxidantes e melhoram a circulação sanguínea. Graças a essa propriedade, o extrato da fruta conseguiu destruir células cancerosas, segundo uma pesquisa publicada no Journal of Agricultural and Food Chemistry. De acordo com o professor que coordenou o trabalho, Stephen Talcott, do Instituto de Ciências Alimentícias e Agrícolas da Universidade da Flórida, a fruta amazonense estimulou a diminuição de leucemia em até 86% das células testadas.

No Brasil, a empresa Produtos Regionais do Brasil Ltda. descobriu que a farinha resultante do caroço do açaí pode ser acrescida ao café para diminuir o teor de cafeína e aumentar o nível de inulina - um açúcar rico em fibras e que não é absorvido pelo organismo - sem sequer alterar seu sabor. A bebida é comercializada na região Norte com o nome de A4 Bebida Sabor Café. Mas, segundo o fabricante, a farinha A4, como é chamada, pode ser utilizada para enriquecer outras farinhas, como a de trigo.

Utilidades - Pode-se aproveitar praticamente tudo o que a palmeira do açaí oferece. Da fruta obtém-se o vinho do açaí, muito consumido pelos nortistas, e também a polpa, usada para fazer sucos, sorvetes, picolés e o açaí de tigela. O caroço pode servir como adubo orgânico e matéria-prima para o artesanato regional. Já o palmito de sua árvore é muito utilizado em saladas, recheios e cremes, além de servir como alimento para os animais.

Curiosidades - Diz a lenda que, onde hoje se localiza a cidade de Belém, havia uma tribo indígena. Para resolver o problema da falta de comida, o cacique decidiu proibir a gravidez entre seu povo. No entanto, sua filha Iaçã ficou grávida e, convicto de sua decisão, o avô mandou matar a criança após o nascimento. Deprimida, Iaçã ouviu certa noite o choro de seu filho vindo da direção de uma árvore com frutas roxas. Na manhã seguinte, a índia foi encontrada morta, abraçada a essa árvore. O cacique resolveu então fazer um suco daquelas frutas para alimentar sua tribo. Em homenagem a Iaçã, a árvore foi batizada de Açaí - o nome da índia ao contrário.

O açaí faz parte do dia-a-dia do caboclo (população que vive às margens dos rios amazonenses) desde a infância. Logo após o período de amamentação, as mães dão açaí às crianças em substituição ao leite materno. Muito raramente o leite de vaca entra no cardápio dessas pessoas, que consomem a polpa do açaí puro com farinha de mandioca ou arroz. Assim como o leite, pode-se encontrar açaís do tipo A (mais grosso e puro de todos), B (de viscosidade média) e C (misturado com água). Segundo Rogez, o açaí que chega a São Paulo e Rio de Janeiro é do tipo D, conhecido como "água de açaí" pelos paraenses.

Nenhum comentário: